Portal FVS/AM

FVS sedia oficina de trabalho sobre violência no trânsito

Visando reunir os diversos atores que executam ações de...

Sobe para 16 os casos de doenças de chagas aguda em Barreirinha

Dez casos de doença de chagas aguda ocorrida em comunidade...

FVS já faz reunião para discutir estratégias de vigilância contra o sarampo

A Fundação de Vigilância em Saúde (FVS) realizou nesta sexta-feira...

Susam anuncia criação de Comitê Estadual de Prevenção ao Suicídio

MANAUS – O secretário de Estado de Saúde (Susam), Rodrigo...

Casos de chikungunya sobem 17% entre janeiro e agosto deste ano no Amazonas

Os registros de casos de zika no Amazonas reduziram 75%...

Dez casos da doença de chagas são confirmados no Amazonas

Manaus/AM - A Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas...

FVS confirma dez casos de Doença de Chagas em Barreirinha

Manaus – A Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas...

«
»

 

 

Galeria de fotos

Publicações (Boletins, cartazes e etc)


Orientação e Prevenção (Guia rápido)

CHIKUNGUNYA

Transmissão
O mesmo mosquito que transmite a dengue, o Aedes aegypti, é o transmissor de uma doença nova no Brasil, a febre chikungunya, que surgiu na África e vem avançando pela América do Sul. As duas doenças são bastante parecidas. É preciso estar atento para prevenção e tratamento.

Sintomas
Na chikungunya, após o período de incubação que é em média de três a sete dias, a fase aguda é caracterizada principalmente por febre de início súbito e surgimento de intensa artralgia. Essa fase dura, em média, até sete dias. Os pacientes geralmente apresentam febre elevada de início abrupto, poliartralgia, dor nas costas, cefaleia e fadiga. Outros sinais na fase aguda da chikungunya são calafrios, conjuntivite, faringite, náusea, diarreia, neurite, dor abdominal e vômito.

Prevenção
A melhor forma de se evitar a chikungunya é combater os focos de acúmulo de água, locais propícios para a criação do mosquito transmissor da doença. Para isso, é importante não acumular água em latas, embalagens, copos plásticos, tampinhas de refrigerantes, pneus velhos, vasinhos de plantas, jarros de flores, garrafas, caixas d´água, tambores, latões, cisternas, sacos plásticos e lixeiras, entre outros.

DENGUE

Transmissão
O tempo médio do ciclo é de 5 a 6 dias, e o intervalo entre a picada e a manifestação da doença chama-se período de incubação. É só depois desse período que os sintomas aparecem. Geralmente os sintomas se manifestam a partir do 3° dia depois da picada do mosquitos.

Sintomas
Dengue Clássica
Febre alta com início súbito.
Forte dor de cabeça.
Dor atrás dos olhos, que piora com o movimento dos mesmos.
Perda do paladar e apetite.
Manchas e erupções na pele semelhantes ao sarampo, principalmente no tórax e membros superiores.
Náuseas e vômitos·
Tonturas.
Extremo cansaço.
Moleza e dor no corpo.
Muitas dores nos ossos e articulações.

Dengue grave
Os sintomas da dengue hemorrágica são os mesmos da dengue comum. A diferença ocorre quando acaba a febre e começam a surgir os sinais de alerta:
Dores abdominais fortes e contínuas.
Vômitos persistentes.
Pele pálida, fria e úmida.
Sangramento pelo nariz, boca e gengivas.
Manchas vermelhas na pele.
Sonolência, agitação e confusão mental.
Sede excessiva e boca seca.
Mais Pulso rápido e fraco.
Dificuldade respiratória.
Perda de consciência.

Prevenção
A melhor forma de se evitar a dengue é combater os focos de acúmulo de água, locais propícios para a criação do mosquito transmissor da doença. Para isso, é importante não acumular água em latas, embalagens, copos plásticos, tampinhas de refrigerantes, pneus velhos, vasinhos de plantas, jarros de flores, garrafas, caixas d´água, tambores, latões, cisternas, sacos plásticos e lixeiras, entre outros.

MALÁRIA

Transmissão
A transmissão ocorre após picada da fêmea do mosquito Anopheles (darlingi), infectada por protozoários do gênero Plasmodium. No Brasil, três espécies estão associadas à malária em seres humanos: P. vivax, P. falciparum e P. malariae.

Sintomas
Os sintomas mais comuns são: calafrios, febre alta (no início contínua e depois com frequência de três em três dias), dores de cabeça e musculares, taquicardia, aumento do baço e, por vezes, delírios. No caso de infecção por P. falciparum, também existe uma chance em dez de se desenvolver o que se chama de malária cerebral, responsável por cerca de 80% dos casos letais da doença. Além dos sintomas correntes, aparece ligeira rigidez na nuca, perturbações sensoriais, desorientação, sonolência ou excitação, convulsões, vômitos e dores de cabeça, podendo o paciente chegar ao coma.

Prevenção
Individual: uso de mosquiteiros impregnados ou não com inseticidas, roupas que protejam pernas e braços, telas em portas e janelas, uso de repelentes.

Coletiva: drenagem, pequenas obras de saneamento para eliminação de criadouros do vetor, aterro, limpeza das margens dos criadouros, modificação do fluxo da água, controle da vegetação aquática, melhoramento da moradia e das condições de trabalho, uso racional da terra.

ZIKA VÍRUS

Transmissão
O principal modo de transmissão descrito do vírus é também por vetores . No entanto, está descrito na literatura científica, a ocorrência de transmissão ocupacional em laboratório de pesquisa, perinatal e sexual, além da possibilidade de transmissão transfusional.

Sintomas
Febre baixa ou ausência, dor de cabeça, dores nas articulações, conjuntivite, manchas na pele, coceira, dor muscular, lesões vermelhas na pele.

Tratamento
O tratamento para o Zika vírus é sintomático e deve ser recomendado pelo médico. Não há tratamento específico para a doença, só para alívio dos sintomas.


 

Instagram @fvsam>

     

    Concurso de Fotografia "Dia mundial de luta contra a Malária 2019"